<< current
   
 
   
 
  Euhein
A Teus pes
Amarar
Alexander Soares Silva
Blowg
Bia!
Bordeaux!
Boneca
Aurea
Cora
Colega!
Catarro verde!
carbonmonoxide>
Classe média!
Cris
CrisdeLuca
Cesar
Drispaca
Dedo de moça
Duas Fridas
Uma Dama nao comenta
Estacao Virtual
Escarlates
Fazendo gênero
Doa a quem doer
Faker Fakir
Espirito de Porco
Foto do dia
Pipa
Duas Fridas
Drops da fal
Digestivo cultural
Fotolog da Patty
Fotolog da Angela
Ilustra!
Full giu!
Kaleidoscópio
Luisa
Funny
Bloggi
LBF
Mothern
MalGardee
Maldita Juliana
mais eu, mais juju, mais patty
Mau humor
MIIII & LUUUUU
Marcio
mais canela!!!
Muitas de mim
Pura Goiaba!
mundo perfeito
Nervocalm
no mínimo
Praia
Romaaaaaaaa!!!!!
Reorganizer
salón
subirbia
Tempo Imaginario
Vita Brevis
Uh Baby!
o relicário
Roma e Amigos
Um Belo Dia Resolvi Mudar
arte bhz
talepatty
Torpor
marquinhos
Tattoos
Vertigem
Zel
walkwoman
   
 
  Cow Parade

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

blogger


   

terça-feira, janeiro 31, 2006

.eu tive fora uns dias, numa onda diferente, e provei tantas frutas que te deixariam tonta. eu quis te matar.

.a pessoa fala com o filho, no meio do toró "ai, seu pai ta velejando, só me falta cair um raio na cabeça dele". As amigas dão esporro, o filho teme pela vida do pai, o celular do cidadão não atende, ai, pânico. o cara liga. caiu ao lado do barco, eles tiveram que ser rebocados. ai, boca.

.nunca, homens, prometam mundos que não podem cumprir. Se querem coisas medíocres, se farão somente coisas medíocres, não prometam o paraíso. o discurso tem que se colar com a prática. Vc sabe aquele lance, que não dá pra enganar muitos todo o tempo e talecoisa.

.na boa, amar não pode ser sofrer. ieuem.


::Ângela F.::

.




domingo, janeiro 29, 2006

Da série "eu desprezo os críticos":
Escreve o eminente J.B. em sua resenha do jornal O Globo:
"uma delícia de filme até o momento em que deixa de ser. depois volta a ser, mas o encanto já se quebrou."
Brilhaaaaaante, não?
Blé.

...Flá




sexta-feira, janeiro 27, 2006

Tá fueda mesmo. Potaquepariu. Ontem eu fui à praia. Sol a pino. Mar transparente. Levei dois caldos, num deles perdi a criança. E a amiga tendo um treco de rir na areia. Eu já me virei melhor no mar. De noite tive febre. Acho que eu não tinha febre há uns 15 anos. Fiquei péssima. Deve ter sido o calor. E hoje esse abafa, caraio. Eu não aguento mais. E quer saber de uma coisa, Ân? Eu também pensei nos presos. Deve tá mais foda do que nunca. Eu quero adormecer dentro de uma câmara frigorífica e só acordar na copa. Eu aaaamo copa! E depois voltar a dormir. Porque eu não quero votar, não. Uél, pelo menos dessa vez não vai ter aquela penca de petista com cara de salvadores superiores da nação tentando fazer a nossa cabeça. Disso nos livramos. Mas do calor, não. Esse tá que tá.

ãpideite: mas num é que a rosa que eu plantei já lá se vai um ano e meio resolveu despontar justo hoje?! eu que já dava como favas contadas, me enchi de surpresa. que rosa louca, sair logo num calorão desses...

...Flá




Há 3(2?) anos atrás eu estava no verão em Belém, trabalhando. Prometi nunca mais reclamar do calor do Rio. mas num dá. Está 50 graus. na sombra, isso quando venta. A praia tá deixando a rapaziada com queimadura de segundo grau. isso com filtro 60 e na barraca alugada do uruguaio. A moça carioca exilada em São Paulo lembra que lá nem vento tem. E a fumaça dos carros? E o efeito estufa? E a Nasa noticiando que nunca fez tanto calor mesmo, e que num é impressão nem a menô chegando?
E olha, a vida no cangaço tb não é mole não, viu? Brasília é filme de terror, é o cerrado, meus amiguinhos sortudos que como eu, vivem na estufa do ar refrigerado all time.
e num tem jeito, eu sempre penso nos presos. ô merda de cabeça doente. os caras devem estar sofrendo horrores. tem mais é que fazer rebelião.

::Ângela F.::




quinta-feira, janeiro 26, 2006

2046. nada é mais solitário que o amor.

::Ângela F.::




quarta-feira, janeiro 25, 2006


em movimento

...Flá




Eu quero deixar todo o meu carinho e afeto e amor pra Lu.

...Flá




terça-feira, janeiro 24, 2006

outro dia falava eu de Mesbla, mas outro dia a saudade apertou mesmo no final do Leblon com a lembrança do Gordon. Putamerda de salada de galinha perfeita.

::Ângela F., mais 80´s impossível::




* Coisa chata e repetitiva é a tal da moda e as pessoas carudas da moda. Sumpaulo féchion irc
* Confesso: acho que nunca amei. Vai ver que desisto fácil demais.
* Calor...será que ainda tem vaga na marcha dos pinguins?
* Acho que sou má...comi um pedaço de leitão assado. E fiz uma baita vista grossa praquela cara de triste e desolado.
* Comer mexido é uma arte. Atenção chefs, favor oferecer junto com o prato um espelho, para sacar as couves na arquibancada no pós comilança e um prestobarba, antes, para eliminar os cabelinhos que vem no torresmo, ra ra ra!

::Patty::




Não acabarão com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado,
verificado.
Aqui levanto solene minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo firme, fiel e verdadeiramente.

Maiakóvski, de quem eu amo a frase "dizem que existe um lugar - parece que no Brasil - onde há um homem feliz."

E eu as vezes eu acho que conheco esse homem.

::Ângela F.::




e a vida é cheia de som e fúria, né, Fla? e o amor assim tb é, aquela pessoa que nos faz ter ódios é aquela com quem queremos filhos. Fogo que arde sem se ver. É um estar-se preso por vontade, é servir a quem vence, o vencedor; é um ter com quem nos mata lealdade.

::Ângela F.::




segunda-feira, janeiro 23, 2006

Patrícia, Bruno, Meg, Laura, Gabriela, verde, piscina, siriemas, tucanos, micos, pavões, araras, lareira, comer, comer, comer, fogueira, roda de viola, ginástica, performance, boi, vaca e cabrito, pescaria, pé na grama e no mato, barulhos estranhos à noite, carro de boi, charrete, cavalo, pessoas simpáticas, pouca bebida(graças a Deus), rede balançando ao vento, crianças morrendo de felicidade, nenhum mocinho bonito disponível, doces divinos, sol, muito sol, tenho mesmo que voltar?






::Patty::




domingo, janeiro 22, 2006

Clube, sábado, hora do almoço. Na mesa ao lado outra família e seus filhos, pais, avós, macarrão a bolonhesa, torta alemã e coca light. Na mesa de cá a mesma formação, menos a coca, que aqui é forte. Um lote de jogadores em campo, cada qual com seu lote pessoal de vida, o que entendam por neuras, crises, tudo que pulsa forte, tão forte que falta pouco pra arrebentar. Do lado de lá uma discussão à meia boca acerca de um profissional que havia perturbado os dias da família, levantando um bocado de sujeira por debaixo do tapete. Marido e mulher trocavam farpas agressivas entre os pratos sujos. Do lado de cá minha cara emburrada por conta da inutilidade do meu homem quando lhe é mais conveniente o que, vale lembrar, é sinal de que o peso todo está nas minhas costas, ou pelo menos é como eu me sinto. Eu mal falava com meu marido. E de repente nossos olhares se cruzaram no meio desse campo minado. O meu e o do outro marido. E nos olhos dele eu me vi. Era como se fosse um espelho: aquele olhar cheio de raiva, quase ódio, e no fundo uma dor, um desamparo, daquele que se pega pensando ?se essa pessoa, essa que eu escolhi a dedo para passar os meus dias e devotar o meu amor, essa mesma pessoa é capaz de despertar em mim sentimentos tão vis, a quem me resta recorrer nessa vida, Deus? Como pode existir tanto amor e ódio, tudoaomesmotempoagora nesse meu coração??. Os olhos se descruzaram o mais rápido que puderam. Espelho horrível, retrato abominável, Dorian Gray em pleno verão carioca. E após um suspiro longo e profundo eu me virei para o lado e olhei o meu homem. Com toda a força da minha mente eu abrandei o meu coração. Disse a mim mesma que já era hora de acabar com aquilo, que era hora de deixar o amor ocupar o espaço. Um olhar rápido para o companheiro de infortúnio da mesa ao lado me fez ver um afago entre mãos. É terrível o amor. Nada, nada, nada o escapa. Nem mesmo o ódio. A ponto de às vezes ser preciso deixar que a mente faça o seu serviço obstinadamente e, contrariando todos os poetas, calar o que vai no coração. Agora eu estou aqui, com ares satisfeitos e bem amados. Espero que o outro marido também. Um dia depois do outro. E já lá se vão 11 anos. É o amor e seu cortejo de horrores.

...Flá




quarta-feira, janeiro 18, 2006




vi o filme dos pinguins. que vida dura a dos carinhas, cruzes.
crianças choravam, o andré reclamou que o filme era chato e triste. e pior, o trailer que passou no estacao antes do filme era de uma peça onde a mulé do domingos de oliveira gritava que iria comprar um revolver e se matar. Meu filho me olhou e perguntou: ela tá maluca, mãe?
eu pensava: maluco eh o programador dessa sala.

::Ângela F.::




terça-feira, janeiro 17, 2006

.eu tb ja dei socão. mas tb já recebi. urgh. oia, nao recomendio.

.a pessoa sai decidida a comprar um vestido florido. volta com um jeans, uma camiseta preta, uma bermuda mudernosa. vcs sao assim ou mantem a determinação inicial?

.e essas saias balão que transformam a pessoa manequim 36 em um bujão de gás de roupinha? quê esso? e as sandálias que todas as cariocas estão usando, com uma tirinha no meio, que eu tenho uma parecida do verão passado? to em fashion crisis.

.eu nunca estive com a vida tão louca. sei lá, já tive periodos loucos, mas esse ta uma loucuuura de tão louco :P

::Ângela F.::




segunda-feira, janeiro 16, 2006

sabe aquela vontade imensa de dar um soco na fuça daquele sujeito que te agarra sem a sua permissão e quando você fala com todas as letras que NÃO QUER o retardado ainda te xinga de p. pra baixo?
eu realizei esse meu sonho de mulher Maguila.
ele foi a nocaute depois de duas ou três bifas no focinho...
eu sou um anjo que calça tamancas e tem alma de travesti, eu sei.

::Patty::




saudade? po, mas eh tao perto. so vir pra ca. ou pra la.

::Angela F., tb sumidaaaaa::




Não aguento mais de tanta saudade do Rio.
Sócias cariocas quero um emprego aí.
Pode ser até de vendedora de cachorro quente ou de caixa das lojas americanas.
Sou "simplinha" e limpinha!
::Patty::




quinta-feira, janeiro 12, 2006

lembro de nelson rodrigues o tempo todo. não só os imbecis pararam de se esconder, como se orgulham de sua estupidez.

::Ângela F.::




domingo, janeiro 08, 2006

uél, de premeiro eu vou começar me desculpando, não é? sumi sem dizer adeus, fui ali e demorei a voltar, num desejei feliz natal pra ninguém, voltei no ano que vem. sóri. Ân e Pattoca, eu amo vcs, vcs me entendem? é que às vezes simplesmente não rola. não rola de vir aqui contar da peça, dos 20 santos dias em Buzios, das crianças que tão lindas, do uorquixopi que eu começo amanhã com a diva Juliana, da autobiografia MAGAVILHOSA que eu li do sidney sheldon, acreditem em mim é bom pra carai, de outro livro, este terrível, maravilhoso, foda, A Pastoral Americana, a biografia da Judy, oh Judy...não rola enfim de contar sobre esses tantos livros, esses novos dias, sobre a minha vó Hilda que se foi, sobre as aventuras de Pipoca, o gato em Buzios que, dizem as más línguas, saiu do armário em defenetivo, sobre meu novo afilhado, sobre a festa mais louca de todos os tempos... é que eu sou meio chata e intratável, e quando surgem dias assim ensimesmados, eu me recolho. mas eu estou aqui. podem crer.

...Flá




quinta-feira, janeiro 05, 2006

estrada, estrada, estrada, iaiaaô, pedágio, depois eu vi dois bois, xixi, café, chiclete, mais xixi, e mãe, pensa em água escorrendo, em cachoeeeeiras, em gelo derretendo, ai, menino, pára, e sede, e pega o suco pra mim, mãe, amor, pega uma batata? ai, que curva, iaiaaô, a maioooor confusão, estrada, estrada, estrada, beagá, amigos queridos, mais que queridos, mais que amados, mais que amorosos, nem sei. dias bons, pampulha, comida boa, e parque de diversões, igreja, museu, arte que agrada criança, comida boa, cerveja gelada, rua esquisita que sobe quando deveria descer, e mais papo bom, e qual super poder vc quer ter? e mais cama boa, e show das crianças amadas, e cd bom do amor bom tocando ao fundo, e mais estrada, estrada, estrada, e rio são francisco imponente, grandão mesmo, criança pescando peixe, e peixe bom na mesa, e barragem, e represa, e mais estrada, e mais buraco, iaiaaô, e goiás, tudo grande, tudo longe, tudo mega, tudo planalto central do país. e cá estamos, criança, mais amigo bom, mais criança boa, mais brincadeira, mais festão, mais álcool, mais piscinas, mais toró, mais seca, e quem diria, brasília no ano novo tá bão.

::Ângela F.::




.contar com os melhores amigos que alguém pode ter faz toda a diferença.

.feliz ano novo, meu polvo e minha polva.

::Ângela F.::




quarta-feira, janeiro 04, 2006



Mineiro é assim: fica feliz que nem pinto no lixo nos balneários...mesmo nos dias nublados e cheinhos de vento!